Unesp 2016

(Unesp 2016)  Defendo a liberdade de expressão irrestrita, mesmo depois desse trágico evento em que os cartunistas do jornal satírico “Charlie Hebdo” foram mortos, além de outras pessoas em um mercado kosher, em Paris. […] Sou intransigente no que diz respeito à liberdade de expressão de cada um: e sou ainda mais intransigente quando matam em nome de Alá, de Maomé, de Cristo, de comunismo, de nazismo, de fascismo etc. Caricaturar nunca é crime. Caneta e lápis não matam. Exageram, humilham, fazem rir, mas não matam.

(Gerald Thomas. “Quem ri por último ri melhor”. Folha de S.Paulo, 17.01.2015.)

 

O argumento defendido no texto está baseado na

a) valorização do caráter absoluto de todo tipo de simbologia teológica e religiosa.

b) primazia de princípios originalmente burgueses e liberais no campo da cultura.

c) utopia comunista da igualdade econômica e da liberdade de expressão.

d) depreciação do livre-arbítrio, em favor de uma concepção totalitária de mundo.

e) defesa intransigente de restrições para o exercício da autonomia de pensamento.

 

Resposta: B

ENEM 2015

Q35 (Enem 2015 – azul)  Quanto ao “choque de civilizações”, é bom lembrar a carta de uma menina americana de sete anos cujo pai era piloto na Guerra do Afeganistão: ela escreveu que – embora amasse muito seu pai – estava pronta a deixá-lo morrer, a sacrificá-lo por seu país. Quando o presidente Bush citou suas palavras, elas foram entendidas como manifestação “normal” de patriotismo americano; vamos conduzir uma experiência mental simples e imaginar uma menina árabe maometana pateticamente lendo para as câmeras as mesmas palavras a respeito do pai que lutava pelo Talibã – não é necessário pensar muito sobre qual teria sido a nossa reação.

ZIZEK. S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Bom Tempo. 2003.

 

A situação imaginária proposta pelo autor explicita o desafio cultural do(a)

a) prática da diplomacia.

b) exercício da alteridade.

c) expansão da democracia.

d) universalização do progresso.

e) conquista da autodeterminação.

 

Resposta: B

UEM 2009 – inverno

Questão 02
Em 2008, foi comemorado o centenário da Imigração
Japonesa no Brasil. Considerando esse fato e utilizando
seus conhecimentos sobre a temática da “diversidade
étnica na cultura brasileira”, assinale o que for correto.
 
01) A integração dos japoneses à nova pátria ocorreu sem
resistências de ambos os lados, sendo a convivência
inicial entre brasileiros e japoneses harmoniosa,
independente de suas diferenças culturais.
02) Para os imigrantes japoneses, a chegada na nova terra
representou uma profunda mudança. Por meio de
associações civis, educativas e religiosas, eles
procuram construir uma nova identidade,
combinando a memória do passado com as
experiências do presente.
04) A regra tradicional de casamento intraétnico,
configuração familiar característica dos primeiros
anos de imigração, raramente foi rompida ou
questionada pelas novas gerações, mantendo-se como
uma das principais formas de afirmação da
identidade japonesa.
08) A imigração implicou uma nova construção do
“modo de ser japonês”, processo de construção
identitária que se mantém com as novas gerações e
que pode ser observado nas formas de apropriação e
de consumo de produtos da indústria cultural
japonesa, como os mangás e os animes.
16) Nas décadas de 1980 e 1990, um número
considerável de descendentes de japoneses partiram
para o Japão em busca de empregos. Esse movimento
imigratório enfraqueceu-se no contexto atual.
 
resposta: 26

UEM 2009 – inverno

Questão 10
Considerando o papel das sociedades indígenas no
processo de formação da diversidade étnica brasileira,
assinale o que for correto.
 
01) O trabalho nessas sociedades é marcado por três
elementos básicos: relações de parentesco,
obrigações rituais e míticas e falta de separação entre
atividades produtivas e lúdicas.
02) Para além da diversidade de comunidades, de grupos
e de nações indígenas, é possível identificar o “índio
brasileiro” como portador de uma identidade étnica
única.
04) As populações indígenas gastam pouco tempo
executando tarefas voltadas à satisfação de suas
necessidades materiais e sociais, porque são
naturalmente mais vagarosas.
08) O contato interétnico entre índios e brancos, durante
o processo de colonização da sociedade brasileira,
provocou o genocídio de diversas populações
indígenas, revelando que essas relações foram
reguladas pela violência.
16) As posturas colonialistas partiam da oposição entre
“primitivos” e “civilizados”, o que fez que a
contribuição dos povos indígenas ao processo de
formação da sociedade brasileira fosse identificada
como sinal de atraso.
 
resposta: 25

Blog Stats

  • 1.353.269 visitas
%d blogueiros gostam disto: