ENEM 2016

(Enem 2016)  O conceito de função social da cidade incorpora a organização do espaço físico como fruto da regulação social, isto é, a cidade deve contemplar todos os seus moradores e não somente aqueles que estão no mercado formal da produção capitalista da cidade. A tradição dos códigos de edificação, uso e ocupação do solo no Brasil sempre partiram do pressuposto de que a cidade não tem divisões entre os incluídos e os excluídos socialmente.

QUINTO JR., L. P. Nova legislação urbana e os velhos fantasmas. Estudos Avançados (USP), n. 47, 2003 (adaptado).

 

Uma política governamental que contribui para viabilizar a função social da cidade, nos moldes indicados no texto, é a

a) qualificação de serviços públicos em bairros periféricos.

b) implantação de centros comerciais em eixos rodoviários.

c) proibição de construções residenciais em regiões íngremes.

d) disseminação de equipamentos culturais em locais turísticos.

e) desregulamentação do setor imobiliário em áreas favelizadas.

 

Resposta: A

Unesp 2015

(Unesp 2015)  A crise de abastecimento de água em São Paulo se agravou significativamente a partir de 2002, quando a empresa pública Sabesp passou a priorizar a obtenção de lucro. Com essa alteração, a água deixou de ser considerada bem público e recurso essencial para a sociedade, abandonando-se o foco na universalização dos serviços de saneamento básico. Nesse mesmo caminho, seguiu uma diretriz estratégica de atender à expansão econômica, beneficiando-se com a lucratividade do aumento do consumo, ignorando a suficiência de água para atender a essa crescente demanda. Do ponto de vista neoliberal, a crise hídrica oferece “grandes e novas oportunidades” de negócios, tanto para obras como para serviços, especialmente no setor de gestão das águas, uma vez que se trata de um bem essencial de que todos são obrigados a dispor a qualquer preço e custo.

(Delmar Matter et al. “As obras e a crise de abastecimento”. http://www.diplomatique.org.br, 06.02.2015. Adaptado.)

 

No texto, o problema do abastecimento de água em São Paulo é abordado sob o ponto de vista

a) da crise ética da sociedade e das questões relativas ao negligenciamento dos valores morais e espirituais.

b) da defesa da necessidade de investimentos públicos para a construção de novos reservatórios de água.

c) dos efeitos positivos da racionalidade instrumental ao converter a natureza em objeto de dominação.

d) das tendências do sistema capitalista de transformar toda a realidade em mercadoria disponível no mercado.

e) das consequências do aumento da demanda ocasionado pela democratização do consumo da água.

 

Resposta: D

UEM 2009 – inverno

Questão 11
Considerando os impactos das transformações sociais
sobre o papel das mulheres nas esferas pública e privada,
assinale o que for correto.
 
01) As lutas do movimento feminista garantiram às
mulheres o direito de decidir sobre o uso do próprio
corpo no que se refere à reprodução e à contracepção,
mas não em relação ao aborto, procedimento
considerado crime em diversos países.
02) Uma das ações do movimento feminista foi a de
questionar a heterossexualidade como norma e
possibilitar o reconhecimento de outras
manifestações da sexualidade, como a bissexualidade
e o lesbianismo.
04) Em boa parte do mundo ocidental, as uniões
monogâmicas são uma das marcas da família nuclear,
formada por homem, mulher e filhos. Nesse universo,
a poligamia, união de um homem ou de uma mulher
com mais de um cônjuge, é ilegal, apesar de
existirem registros de sua prática.
08) No Brasil contemporâneo, o fenômeno da violência
urbana tem vitimado mais os homens jovens do que
as mulheres, contribuindo para um desequilíbrio na
pirâmide etária e de gênero.
16) Quando ocupam postos de mando no mercado de
trabalho, as mulheres recebem salários iguais ou
superiores aos dos homens que desempenham as
mesmas funções que elas, pois a desigualdade sexual
é um fenômeno superado.
 
resposta: 15

UEM 2008 – inverno

05 – Sobre as relações produtivas desenvolvidas por
diferentes grupos sociais ao longo da história,
assinale o que for correto.
 
01) Nas sociedades tribais, o trabalho humano está
relacionado apenas à satisfação das
necessidades básicas do homem, como, por
exemplo, garantir a alimentação e o abrigo. Por
isso, nesses casos, os processos de trabalho não
geram relações propriamente sociais.
02) Segundo muitos autores, para alcançar a sua
subsistência, nem todos os grupos humanos
viveram de atividades produtivas, como ocorreu
historicamente nas sociedades de pescadores, de
coletores e de caçadores.
04) Alguns antropólogos afirmam que grupos
indígenas, como os ianomâmis, podem ser
considerados “sociedades de abundância”, pois
dedicam poucas horas diárias às atividades
produtivas, mas, apesar disso, têm suas
necessidades materiais satisfeitas. Tais
necessidades não são crescentes, como ocorre
nas sociedades capitalistas.
08) Na sociedade feudal, a terra era o principal meio
de produção, porém os direitos sobre ela
pertenciam aos senhores. Os camponeses e os
servos nunca podiam decidir o que produzir,
para quem e quando trocar o fruto do seu
trabalho.
16) O modo de produção escravista colonial que
ocorreu no Brasil tinha as seguintes
características principais: economia voltada para
o mercado externo baseada no latifúndio, troca
de matérias-primas por produtos manufaturados
da metrópole e fraco controle da colônia sobre a
comercialização.
 
resposta: 20

UEL 2009

39) Leia o texto seguinte.
 
Texto V
[…] Ramón vivia do seu trabalho e tinha que pagar um apartamento e a comida, e inclusive as folhas de papel
para poder escrever nos fins de semana. Já sabia que introduzir no computador um argumento e os nomes
dos personagens para que realizasse um primeiro esboço não era a mesma coisa que escrever uma novela
desde o princípio, mas as coisas agora estavam desse jeito. O mundo editorial tinha mudado, os livros já não
eram concebidos como obras de artesanato criadas na mente de um só homem sem nenhuma ajuda exterior.
(SAORÍN, J. L. A curiosa história do editor partido ao meio na era dos robôs escritores. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005. p. 109).
 
O texto V remete a formulações presentes na análise de Marx sobre o desenvolvimento do capitalismo.
Quanto à posição de Marx em relação ao tema abordado no texto, é correto afirmar.
I. Com o advento da sociedade comunista, o trabalho desaparece e instaura-se um ordenamento social em
que a preocupação do indivíduo será basicamente com o exercício do lazer.
II. O avanço das forças produtivas torna-se desnecessário em uma sociedade socialista, uma vez que as
máquinas, responsáveis pelo sofrimento humano, serão substituídas por um retorno à produção artesanal.
III. A tendência do movimento do capital é no sentido de uma contínua desqualificação da força de trabalho.
Deste modo, intensifica-se a unilateralidade do ser que trabalha e sua degradação física e psíquica.
IV. A revolução contínua das forças produtivas é uma necessidade inerente ao processo de acumulação capitalista e está na base da expansão deste modo de produção e da constituição do mercado mundial.
 
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas I e III são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas.
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.
resposta: C

UEL 2009

30) A crise financeira de 2008, cujo epicentro foi o mercado imobiliário norte-americano, obrigou diversos países
da União Européia a se confrontarem com os princípios pregados pelo dogma neoliberal e pelo que se convencionou chamar de “Consenso de Washington”.
Com base no enunciado e nos conhecimentos sobre a atual crise global e o neoliberalismo, assinale a alternativa
correta.
a) Com a estatização dos bancos pelos governos da Europa, evidenciou-se que as diferenças anunciadas entre o
neoliberalismo e o socialismo são formais, não existindo de fato.
b) A crise do setor imobiliário nos Estados Unidos apontou para os limites das políticas de Estado Mínimo, dominantes no cenário mundial desde o advento do thatcherismo, na Inglaterra, em 1979.
c) De acordo com o “Consenso de Washington”, é fundamental que o Estado controle o mercado, restringindo a liberdade do capital financeiro, fruto indesejável da globalização das economias.
d) Os acontecimentos envolvendo o setor imobiliário norte-americano revelam que as crises são fenômenos típicos de países de industrialização avançada, delas estando protegidos os países de industrialização recente da América Latina e Ásia.
e) O estopim da crise imobiliária nos Estados Unidos foi o abandono das políticas de Bem-Estar social e o contínuo aumento do poder dos sindicatos daquele país.

 

resposta: B

 

A miséria do ‘novo desenvolvimentismo’

José Luís Fiori

“O capitalismo só triunfa quando se identifica com o estado, quando é o estado”
Fernand Braudel, “O Tempo do Mundo”, Editora Martins Fontes, SP, p: 34

O “debate desenvolvimentista” latino-americano não teria nenhuma especificidade se tivesse se reduzido à uma discussão macro-econômica entre “ortodoxos”, neo-clássicos ou liberais, e “heterodoxos”, keynesianos ou estruturalistas. Na verdade, ele não teria existido se não fosse por causa do estado, e da discussão sobre a eficácia ou não da intervenção estatal, para acelerar o crescimento econômico, por cima das “leis do mercado”. Até porque, na América Latina como na Ásia, os governos desenvolvimentistas sempre utilizaram políticas ortodoxas, segundo a ocasião e as circunstâncias, e o inverso também se pode dizer de muitos governos europeus ou norte-americanos ultra-liberais ou conservadores que utilizaram em muitos casos, políticas econômicas de corte keynesiano ou heterodoxo. O pivô de toda a discussão e o grande pomo da discórdia sempre foi o estado, e a definição do seu papel no processo do desenvolvimento econômico.

Apesar disto, depois de mais de meio século de discussão, o balanço teórico é decepcionante.. De uma forma ou outra a “questão do estado” sempre esteve presente, nos dois lados desta disputa, que acabou sendo mais ideológica do que teórica. Mas o seu conceito foi sempre impreciso, atemporal e ahistórico, uma espécie de “ente” lógico e funcional criado intelectualmente para resolver problemas de crescimento ou de regulação econômica. Desenvolvimentistas e liberais sempre compartilharam a crença no poder demiúrgico do estado, como criador ou destruidor da boa ordem econômica, mas atuando em todos os casos, como um agente externo à atividade econômica. Um agente racional, funcional e homogêneo, capaz de construir instituições e formular planos de curto e longo prazo orientados por uma idealização do modelo dos “capitalismos tardios” ou do estado e desenvolvimento anglo-saxão. E todos olhavam negativamente para os processos de monopolização e de associação do poder com o capital, que eram vistos como desvios graves de um “tipo ideal” de mercado competitivo que estava por trás da visão teórico dos desenvolvimenjtistas tanto quando dos liberais.

Além disto, todos trataram os estados latino-americanos como se fossem iguais e não fizessem parte de um sistema regional e internacional único, desigual, hierarquizado, competitivo e em permanente processo de transformação. E mesmo quando os desenvolvimentistas falaram de estados centrais e periféricos, e de estados dependentes, falavam sobretudo de sistema econômico mundial que tinha um formato bipolar relativamente estático, onde as lutas de poder entre os estados e as nações ocupavam um lugar bastante secundário..

No final do século XX, a agenda neoliberal reforçou um viés da discussão que já vinha crescendo desde o período desenvolvimentista: o deslocamento do debate para o campo da macroeconomia. Como volta a acontecer com o chamado “neo-desenvolvimentismo” que se propõe inovar e construir uma terceira via (uma vez mais), “entre o populismo e a ortodoxia”. Como se tratasse de uma gangorra que ora aponta para o fortalecimento do mercado, ora para o fortalecimento do estado.

Na prática, o “neo-desenvolvimentista” acaba repetindo os mesmos erros teóricos do passado e propondo um conjunto de medidas ainda mais vagas e gelatinosas do que já havia sido a ideologia nacional-desenvolvimentista dos anos 50. Passado a limpo, trata-se de um pastiche de propostas macroeconômicas absolutamente ecléticas, e que se propõem fortalecer, simultaneamente, o estado e o mercado; a centralização e a descentralização; a concorrência e os grandes “campeões nacionais”; o público e o privado; a política industrial e a abertura; e uma política fiscal e monetária, que seja ao mesmo tempo ativa e austera. E, finalmente, com relação ao papel do estado, o “neo-desenvolvimentismo” propõe que ele seja recuperado e fortalecido mas não esclarece em nome de quem, para quem e para quê, deixando de lado a questão central do poder, e dos interesses contraditórios das classes e das nações.

Neste sentido, fica ainda mais claro que o desenvolvimentismo latino-americano sempre teve um parentesco maior com o keynesianismo e com “economia do desenvolvimento” anglo-saxônica, do que com o nacionalismo econômico e o anti-imperialismo, que são a mola mestra do desenvolvimento asiático. E que, além disto, os desenvolvimentistas latino-americanos sempre compartilharam com os liberais, a concepção econômica do estado do paradigma comum da economia política clássica, marxista e neo-clássica. Este paradoxo explica – aliás – a facilidade teórica com que se pode passar de um lado para o outro, dentro do paradigma líbero-desenvolvimentista, sem que de fato se tenha saído do mesmo lugar.

José Luís Fiori, cientista político, é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

UEL 2010

28) Leia o texto a seguir:
Tenho 32 anos e, como a maioria das pessoas da minha geração, já fui demitido – mais de uma vez. Você fica mal e se sente impotente. Nossos pais entravam em uma empresa e saíam de lá aposentados, mas agora isso é passado. O mercado está em movimento o tempo todo e precisamos nos preparar para enfrentar essas mudanças. Quem está preparado não fica sem emprego. Por isso corro atrás. (Depoimento de André Luiz Fernandes. Demita o patrão. Super Interessante. São Paulo: Abril, 14 ago. 2009, ed. 268, p. 17.)
Com base no texto e nos conhecimentos atuais sobre o mundo do trabalho, é correto afirmar:
a) O fenômeno assinalado e presente com maior intensidade no Capitalismo a partir dos anos 1990 é definido conceitualmente como “empregabilidade”, isto é, tem maior oportunidade de conseguir emprego quem se qualifica permanentemente.
b) O traço distintivo entre o capitalismo do início do século XX e o do começo do século XXI é que o primeiro era estático, daí garantir estabilidade no emprego até o final do ciclo de vida do trabalhador.
c) O desenvolvimento recente do capitalismo garante trabalho aos que estudam, o que se reflete, hoje, nas baixas taxas de desemprego a níveis mundiais e o sucesso das políticas de pleno emprego.
d) As diferentes fases do capitalismo reforçaram a falta de conexão entre formação, qualificação e possibilidade de inserção no mercado de trabalho.
e) Foi de modo semelhante que as diversas gerações dos anos de 1950 e 1990 inseriram-se no mercado de trabalho, garantindo planejamento estável em termos de empregabilidade ao longo do tempo de vida produtiva.

 

Resposta: A

Blog Stats

  • 1.353.336 visitas
%d blogueiros gostam disto: