Guantánamo: dez anos de vergonha

11 de janeiro de 2012

Por Christina Bergmann, na Deutsche Welle

O campo de prisioneiros de Guantánamo era para ser uma solução provisória, diz James Carafano. O especialista em política de defesa e segurança da conservadora Fundação Heritage diz que, a seu ver, não teria havido outro procedimento adequado para o contexto da época.

A questão decisiva naquele momento era: como proceder em relação a prisioneiros resultantes de uma guerra na qual o inimigo não é um outro Estado, ou seja, numa situação na qual as normas para prisioneiros de guerra não valem?

Um processo civil, como exigido por vários críticos à existência da prisão de Guantánamo, não foi cogitado, de acordo com Carafano, pois “nenhum país do mundo defendeu algum dia que crimes de guerra, ocorridos num contexto de guerra, possam ser examinados e legalmente julgados num contexto do Direito Civil”, completa o especialista.

Por isso, continua Carafano, foi tomada a decisão, no governo do então presidente George W. Bush, de levar os prisioneiros para Guantánamo. Os primeiros 20 detentos do “combate norte-americano ao terrorismo” chegaram no dia 11 de janeiro de 2002 à penitenciária militar na Baía de Guantánamo.

Ali, afirmava-se, eles não estariam submetidos à Justiça dos EUA, podendo ser mantidos presos e interrogados. A Corte Suprema norte-americana, contudo, decidiu nesse meio tempo que os prisioneiros podem, sim, se apoiar no direito constitucional norte-americano.

Rigor com terroristas

Críticos afirmam que havia a possibilidade de criar um campo de prisioneiros de guerra no Afeganistão ou mantê-los detidos nos EUA. A ativista Andrea Prasow, da organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch, diz que, tanto naquela época quanto hoje, a situação do ponto de vista jurídico é clara: “Prisioneiros que cometeram algum crime podem ser julgados com base no Código Penal”, salienta. Se infringiram leis norte-americanas, teriam que ser levados a tribunal nos EUA; se infringiram leis afegãs, a um tribunal no Afeganistão. “E se não houver provas suficientes deveriam ser libertados”, completa.

Tribunais civis, argumenta a especialista, estão aptos a julgar terroristas, o que já teria sido provado em diversas condenações. “E a realidade é que os tribunais civis norte-americanos não costumam ser favoráveis aos réus, sobretudo aos acusados de terrorismo”, analisa Prasow. Segundo ela, terroristas condenados recebem penas longas e são mantidos em penitenciárias de segurança máxima, onde têm pouco contato com o mundo exterior.

Aperfeiçoar o sistema em vez de buscar alternativas

Mesmo Carafano admite que as condições de Guantánamo nos primeiros anos não eram aceitáveis. Em vez de buscar alternativas, o governo norte-americano tentou aperfeiçoar o sistema ali existente, ou seja, melhorar as condições de detenção. “O problema, para os EUA, é que a política se desenvolveu numa direção totalmente diferente”, diz Carafano.

Segundo ele, Guantánamo se tornou um exemplo de tudo o que era negativo em relação ao combate ao terrorismo, até mesmo de métodos de tortura, como o afogamento simulado, embora, segundo ele, a prática nunca tenha sido aplicada no campo.

Obama: promessa não cumprida – Quando o presidente Barack Obama assumiu o poder, em 2009, ele declarou que fecharia Guantánamo dentro de um ano. No entanto, a tarefa se mostrou mais difícil do que o pensado. No campo, havia aproximadamente 800 prisioneiros. Hoje, dos 171 que ainda estão lá, 89 dispõem de permissão para serem libertados, diz Prasow.

A maioria destes vêm do Iêmen. Diante da instabilidade política e do alto número de supostos terroristas que vivem no país, os EUA decretaram uma suspensão das deportações para o Iêmen desde que o nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab tentou, em dezembro de 2009, explodir um avião. Os mentores do atentado estava no Iêmen.

Outros 36 prisioneiros deverão ser levados a julgamento, entre eles Khalid Sheich Muhammed, um dos mentores dos atentados terroristas do 11 de Setembro; e 46 prisioneiros deverão ser mantidos no campo por tempo indeterminado, sem que pese sobre eles uma acusação definida.

No último dia do ano de 2011, Obama ratificou uma lei, aprovada pelo Congresso, que permite este tipo de detenção ilimitada. Pouco antes, o Congresso havia aprovado uma lei que impede o transporte dos prisioneiros para os EUA. Isso cria dificuldades na hora de argumentar com outros países que eventualmente poderiam receber os prisioneiros. Ou seja, o fechamento da prisão está, no momento, praticamente impossibilitado em função dessas leis. Em 2011, alerta Prasow, nenhum detento deixou Guantánamo.

Especialistas veem com ceticismo futuro de prisioneiros

O especialista em segurança nacional Ken Gude, do Center for American Progress, afirma que as leis aprovadas pelo Congresso – e com elas a dificuldade de se fechar Guantánamo – têm razões única e exclusivamente políticas. Segundo ele, o Congresso “criou uma barreira legal, que se apoia, contudo, na visão política de que é perigoso levar prisioneiros de Guantánamo para os EUA e que isso poderia colocar em risco a vida de cidadãos norte-americanos”. Uma postura “ridícula’”, segundo Gude.

Mesmo assim, a Secretaria de Estado anunciou no início desta semana que o governo norte-americano continua disposto a fechar o campo de prisioneiros. Segundo o comunicado, durante o período de Obama na presidência foram transferidos 67 prisioneiros, quatro dos quais teriam sido condenados por tribunais militares ou civis.

De acordo com as informações oficiais, Obama ordenou que a detenção de determinados prisioneiros seja avaliada com regularidade, a fim de assegurar que a prisão de longo prazo seja “justificável”, sem comprometer “nossa intenção de fechar Guantánamo”.

Prasow vislumbra uma pequena luz no fim do túnel no que diz respeito à nova lei, que só permite a libertação dos prisioneiros sob condições absolutamente rígidas, de tal forma que o procedimento se tornou praticamente impossível nos últimos tempos. “A lei ratificada agora traz uma pequena mudança”, explica a defensora dos direitos humanos.

O secretário da Defesa pode argumentar que os países de destino dos prisioneiros tomaram medidas substanciais a fim de minimizar o risco de que um prisioneiro se torne novamente uma ameaça à segurança dos EUA. Neste caso, a deportação seria possível, segundo Prasow. “Há mais ou menos uma semana, portanto, vigora uma lei que, acredito, permite a libertação de prisioneiros de Guantánamo”, conclui.Um fechamento completo do campo em curto prazo, todavia, é considerado improvável por todos os especialistas. “Daqui a quatro anos, não importa quem seja o próximo presidente norte-americano, ainda existirá o campo de prisioneiros de Guantánamo, e nele ainda haverá prisioneiros da guerra contra o terrorismo”, prevê James Carafano.

Anúncios

A geopolítica angloamericana

“Venho hoje reafirmar uma das mais antigas,
uma das mais fortes alianças que o mundo já viu.
Há muito é dito que os Estados Unidos e a Grã Bretanha
compartilham de uma relação especial”
Barack Obama:  “Discurso no Parlamento Britânico”, em 25/5/ 2011

 

Por José Luís Fiori

 

Existe uma idéia generalizada de que a Geopolítica é uma “ciência alemã”, quando na verdade ela não é nem uma ciência, nem muito menos alemã. Ao contrário da Geografia Política, que é uma disciplina que estuda as relações entre o espaço e a organização dos estados, a Geopolítica é um conhecimento estratégico e normativo que avalia e redesenha a própria geografia, a partir de algum projeto de poder específico, defensivo ou expansivo.  O “Oriente Médio”, por exemplo, não é um fenomeno geográfico, é uma região criada e definida pela política externa inglesa do século XIX, assim como o “Grande Médio Oriente”, é um sub produto geográfico da “guerra global ao terrorismo”, do governo Bush, do início do século XXI.  Por outro lado, a associação incorreta, da Geopolítica com a história da Alemanha, se deve a importância que as idéias de Friederich Ratzel (1844-1904) e Karl Haushofer (1869-1946) tiveram – direta ou indiretamente – no desenho estratégico dos desastrosos projetos expansionistas da Alemanha de Guilherme II (1888-1918) e de Adolf Hiltler (1933-1945). Apesar disto, as teorias destes dois geógrafos transcenderam sua origem alemã, e idéias costumam reaparecer nas discussões geopolíticas de países que compartilham o mesmo sentimento de cerco militar e inferioridade na hierarquia internacional. Mas a despeito disto, foi na Inglaterra e nos Estados Unidos que se formularam as teorias e estratégias geopolíticas mais bem sucedidas da história moderna.

Sir Walter Raleigh (1554-1618), conselheiro da Rainha Elizabeth I, definiu no fim do século XVI, o princípio geopolítico que orientou toda a estratégia naval da Inglaterra, até o século XIX.  Segundo Raleigh, “quem tem o mar, tem o comércio do mundo, tem a riqueza do mundo; e quem tem a riqueza do mundo, tem o próprio mundo”. Muito mais tarde, quando a marinha Britânica já controlava  quase todos os mares do mundo, o geógrafo inglês Halford Mackinder (1861-1947) formulou um novo princípio e uma nova teoria geopolítica, que marcaram a política externa inglesa do século XX. Segundo Mackinder, “quem controla o “coração do mundo”  comanda a “ilha do mundo”, e quem controla a ilha do mundo comanda o mundo”. A “ilha do mundo seria o continente eurasiano, e o seu “coração” estaria situado – mais ou menos –  entre o Mar Báltico e o Mar Negro, e entre Berlim e Moscou. Por isto, para Mackinder, a maior ameaça ao poder da Inglaterra seria que a Alemanha ou a Rússia conseguissem monopolizar o poder dentro do continente eurasiano. Uma idéia-força que moveu a Inglaterra nas duas Guerras Mundiais, e que levou Winston Churchill a propor – em 1946 — a criação da “Cortina de Ferro”  que deu origem a Guerra Fria.

Do lado norte-americano, o formulador geopolítico mais importante da primeira metade do século XX, foi o Almirante Alfred Mahan (1840-1914), amigo e conselheiro do Presidente Theodor Roosevelt, desde antes da invenção da Guerra Hispano-Americano, no final do século XIX. A tese geopolítica fundamental de Mahan, sobre a “importância do poder naval na história”, não tem nenhuma originalidade. Repete Walter Raleigh, e reproduz a história da Marinha Britânica. E o mesmo acontece com as idéias de Nicholas Spykman (1893-1943), o geopolítico que mais influenciou a estratégia internacional dos EUA na segunda metade do século XX. Spykman desenvolve e muda um pouco a teoria de Mackinder, mas chega quase às mesmas conclusões e propostas estratégicas. Para conquistar e manter o poder mundial, depois da Segunda Guerra, Spykman recomenda que os EUA ocupem o “anel” que cerca a Rússia, do Báltico até a China, aliando-se com a Grã Bretanha e a França, na Europa, e com a China, na Ásia.

No cômputo final, o que diferencia a geopolítica anglo-americana é a sua pergunta fundamental: “que partes do mundo há que controlar, para dominar o mundo”. Ou seja, uma pergunta ofensiva e global, ao contrário dos países que se propõem apenas a conquista e o controle de “espaços vitais” regionais. Além disto, a Inglaterra e os EUA ganharam, e no início do século XXI, mantém sua aliança de ferro com o Canadá, a Austrália e a Nova Zelândia: derrotaram e cercaram a Rússia; mantém seu protetorado atômico sobre a Alemanha e o Japão; expandiram sua parceria e seu cerco preventivo da China; estão refazendo seu controle da África; e mantém a América Latina sob a supervisão da sua IVº Frota Naval. E acabam de reafirmar sua decisão de manter sua liderança geopolítica mundial.

Existe, entretanto, uma grande incógnita no horizonte geopolítico anglo-americano. Uma vez conquistado o poder global, é indispensável expandi-lo, para mantê-lo. Mas, para onde expandi-lo?


José Luís Fiori é professor titular e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional da UFRJ, e autor do livro “O Poder Global”, da Editora Boitempo, 2007

Paz ou guerra em setembro de 2011?

Reginaldo Nasser (*)

Carta Maior

No dia 23 de maio o presidente Barack Obama proferiu um discurso sobre a política externa dos EUA para o Oriente Médio no Departamento de Estado, declarando seu apoio à primavera árabe e reiterando sua crença a solução de dois Estados é a melhor maneira de resolver o conflito israel-palestino. No dia seguinte, foi a vez do primeiro ministro israelense, Netanyahu, dar seu recado. Em seu discurso no congresso rejeitou várias afirmações de Obama, sendo efusivamente aplaudido pelos congressistas (29 aclamações). Atribuiu a responsabilidade do conflito aos palestinos devido à não aceitação da existência do Estado de Israel: “eles simplesmente não querem acabar com o conflito. Eles continuam educando suas crianças para o ódio. Eles continuam com a fantasia de que Israel será um dia inundada pelos palestinos refugiados”. Assim, a proposta do governo israelense foi clara: só poderá existir um estado Palestino desmilitarizado e dentro de fronteiras diferentes daquelas acordadas em 1967 na Resolução 242 da ONU. Consequentemente, não aceitar essa proposta, é, para Netanyahu, sinal de que os palestinos não desejam a paz.

Equanto isso em Jerusalém, o ex-chefe da Mossad, Meir Dagan, que dirigiu a organização entre 2002-2010, criticou, publicamente, o governo israelense por “falta de discernimento e flexibilidade”, chamando-o de “imprudente e irresponsável” no tratamento da política de segurança de Israel. Dagan considera uma ameaça maior o isolamento de Israel por um grande segmento da comunidade internacional como provável resultado do esforço da Palestina em obter o reconhecimento de seu Estado. Ele alerta que diante da pressão internacional, Israel poderá trazer à tona o velho argumento de responder aos pequenos incidentes forçando uma solução militar.

Dagan não é nenhum pacifista utópico. Quando foi escolhido para ser chefe da Mossad, Sharon disse que ele queria uma Mossad com “uma faca entre os dentes.” Nos últimos meses, o chefe militar, Gabi Ashkenazi, e o diretor da agência de segurança Shin Bet, Yuval Diskin, também renunciaram. Portanto, além de indicar a existência de fissuras dentro do establishment de segurança nacional de Israel, a saída desse triunvirato, de acordo com o próprio Dagan, demonstra que Netanyahu está removendo aqueles que até então resistiam à sua estratégia de atacar o Irã.

Dagan não acredita em uma paz com a Síria, se opõe fortemente à criação de um Estado Palestino nas fronteiras de 1967 ou a qualquer compromisso sobre os refugiados, mas acha que Israel, por seu próprio bem, deve tomar a iniciativa no processo de paz. Principalmente nesse momento em que ocorrem mudanças regionais, ele está preocupado, em primeiro lugar pelo que está acontecendo no Egito.

Ao mesmo tempo, o presidente Obama, antecipando as movimentações para o período eleitoral de 2012, iniciou uma mudança radical em sua equipe de segurança nacional que pode ter graves repercussões no Oriente Médio. O presidente nomeou o diretor da CIA, Leon Panetta, para assumir o posto de secretário de Defesa, escolheu o comandante da guerra do Afeganistão, general David Petraeus, para substituir Panetta na agência de inteligência e indicou o General Martin Dempsey para chefe do Estado-Maior das forças armadas dos EUA. A nomeação desse último foi feita no ‘Memorial Day’, o feriado anual que recorda os americanos mortos em combate, e ocorre em um momento crítico de reorganização do aparato de defesa e segurança dos Estados Unidos.

Nas últimas duas décadas, Dempsey passou a maior parte do seu tempo dedicado ao Oriente Médio: oficial de operações com o corpo de blindados na Guerra do Golfo(1991); chefe da delegação americana que treinou a guarda nacional saudita; comandante de uma divisão de blindados no Iraque em 2003; oficial responsável pela formação do novo exército iraquiano, e finalmente chefiando o Comando Central, que abrange o Irã, Egito, Síria e a Jordânia. Além disso, Dempsey é bastante familiarizado com as Forças de Defesa de Israel por meio de intercâmbio de informações e de opiniões entre as forças de ambos os exércitos nos últimos anos. É um estudioso e admirador das ações de Israel na Guerra de 1973, Guerra do Líbano (2006) e das ações contra o terrorismo nos territórios ocupados.

Portanto, como bem observou Amir Oren (Obama’s new security staff may approve attack on Iran Haaretz 01/06/2011) as mudanças na equipe de segurança nacional dos EUA são não apenas um assunto norteamericano. Apesar de o próprio Oren reconhecer ser difícil, Dempsey, no início do seu mandato, convencer Obama a atacar o Irã, ou mesmo permitir Israel fazê-lo, não se pode negligenciar seus estreitos laços com o pessoal da forças de Defesa israelenses e a confiança do Congresso norte-americano nos planos de Netanyahu.

Para Israel e os EUA, recorrer à ONU e não acreditar em Netanyahu e Obama passou a ser denominado de unilateralismo e ameaça à Paz! No momento em que cresce o apoio da comunidade internacional para o reconhecimento diplomático de um Estado Palestino na Assembléia Geral da ONU, em setembro, aumentam também as possibilidades de um ato tresloucado da direita israelense com o apoio do democrata Obama.

How Obama enables Israel’s worst impulses

By Rashid Khalidi

The old Arabic proverb has it that the dogs bark but the caravan goes on. President Obama’s comments about the Israeli-Palestinian conflict in his speeches last week at the State Department and then at the American Israel Public Affairs Committee (AIPAC) produced a great deal of sound and fury in Washington. However, the sense I had being in Beirut and the Gulf when they were delivered was that they meant much less to Arabs than they did in Washington or in Israel. There is little sense in the Arab world or among Palestinians that the United States has a constructive role to play in resolving this conflict. Indeed, if anything, it has only succeeded in making itself even more of a roadblock to progress than it was before.

In both speeches the president reiterated a position taken by every one of his predecessors since Lyndon Johnson: that the United States considers the 1967 lines the basis for a settlement, as per Security Council Resolution 242. Only in Israel and on Capitol Hill was this considered news, because Obama failed to mention George W. Bush’s concession to Ariel Sharon in 2004: “In light of new realities on the ground, including already existing major Israeli populations centers, it is unrealistic to expect that the outcome of final status negotiations will be a full and complete return to the armistice lines of 1949.” The speech to AIPAC reprised that important concession, albeit in a slightly less fulsome form, referring simply to “new demographic realities on the ground.”

This provision aside, the speech repeated every key talking point of the current Israeli government:

A settlement must involve Palestinian acceptance of “Israel as a Jewish state and the homeland for the Jewish people,” which means that the 1.4 million Palestinians who live inside Israel must remain second-class citizens, or worse, and that the Palestinians must renounce the idea that the entirety of Palestine is also their homeland. The “homeland” of the Palestinians is rather whatever scraps of pre-1948 Mandatory Palestine can be salvaged in negotiations with Israel, presumably around 20 percent of the country.

Israel’s “basic security concerns (no mention of course of security for the Palestinians, who need it most) is to be a key determinant of a settlement. Given how all-encompassing and elastic are the requirements of Israeli “security,” this basically means Israel can trump pretty much any aspect of a settlement it does not approve.

Linked to the acceptance of Israel’s security needs is the proviso that a Palestinian state would have to be “non-militarized.” Since a settlement would have to “provide effective border security,” that presumably means acceptance of the Netanyahu government’s new demand to continue to control the Jordan River valley, and thus this Palestinian “state’s” borders, into the indefinite future.

No involvement of Hamas in the process unless it accepts preconditions such as renunciation of violence and recognition of Israel prior to negotiations, preconditions that, needless to say, are not imposed on the other side. Given the recent inter-Palestinian reconciliation, this in effect rules out negotiations. In the AIPAC speech this condition is stated in an even more muscular fashion than previously: The inter-Palestinian reconciliation is described as “an enormous obstacle to peace.”

There is to be further postponement (after a 20-year postponement at the insistence of Israel, starting at Madrid in 1991), of dealing with the central issues of refugees and Jerusalem. This means that Israel is free to continue to build in occupied Arab East Jerusalem, drive out as much as possible of its Palestinian population, change the names of places, erase historical landmarks and otherwise make the city as Jewish as Tunbridge Wells is English.

There is to be no “delegitimization” of Israel (a brand-new American adoption of a right-wing Israeli term) via taking the issue of Palestinian statehood to the U.N., since, as the president stated to AIPAC, a Palestinian state must come into being as a result of negotiations, not a U.N. resolution. The president’s speechwriters apparently failed to recall that the state of Israel came into being as a consequence of General Assembly Resolution 181.

Any sensible Israeli government (these days perhaps a contradiction in terms) would jump at this as a basis for negotiation, or at least as an opportunity to make the Arabs appear to be rejectionists who oppose the wishes of Washington. It is an indication of how far Israel has swung to the right that this was not Netanyahu’s immediate reaction. But he heads a coalition government whose only common denominator is a commitment to settlement expansion, holding on to occupied Palestinian territory, and opposition to serious negotiations with the Palestinians.

The campaign for the American presidential elections of 2012 is already underway. Obama and the Democrats are already in defensive mode as they face vicious sniping from Republican leaders about “throwing Israel under the bus,” “betrayal of the only democracy in the Middle East” and so forth. The Israeli-Palestinian issue has already become a political football, and the American adage that politics stops at the water’s edge clearly does not apply to it.

Given the ongoing revolutionary changes in the Arab world, and their profound impact on the Palestinians, as could be seen in the inter-Palestinian reconciliation, and the march of Palestinians to the borders of Israel from five directions on May 15, events in the Middle East have in any case passed President Obama by. This is not only because his hands are tied by the onset of the presidential election campaign. He is also the victim of the bad advice of veterans like Dennis Ross, who have helped steer administrations since that of Ronald Reagan in the wrong direction.

In view of these factors, there should be no surprise that where actual peacemaking is concerned, Washington is a day late and a dollar short.

 

  • Rashid Khalidi is the Edward Said Professor of Arab Studies at Columbia University and the author of six books on Middle Eastern history, including “Palestinian Identity”, and “Resurrecting Empire”. Khalidi is a former advisor to Palestinian negotiators at the Madrid and Washington peace talks and is the editor of the Journal of Palestine Studies. More: Rashid Khalidi

A doutrina do choque

10/02/2009 – 08h25

“A Doutrina do Choque” exibe em Berlim “capitalismo de desastre”

SILVANA ARANTES
enviada especial da Folha a Berlim

O documentário “A Doutrina do Choque”, exibido ontem no Festival de Berlim, prega resistência (à teoria da desregulação do mercado personificada pelo economista Milton Friedman) e ação popular, por outro “new deal”, que remodele a economia mundial.

O paralelo entre Obama e Franklin Roosevelt, o presidente americano que atravessou a Grande Depressão nos anos 1930, é feito pela jornalista Naomi Klein, em cujo livro (“A Doutrina do Choque: A Ascensão do Capitalismo de Desastre”) o filme se baseia.

Winterbottom disse que aceitou o convite de Klein por achar o livro “muito potente” e ver nele “a oportunidade de falar desses acontecimentos de uma perspectiva particular”.

Com numerosas imagens de arquivo, “A Doutrina do Choque” se propõe a traçar um painel da implementação das ideias de Friedman e seu grupo de colaboradores na universidade, os “meninos de Chicago”, em distintas partes do mundo, a começar pela América Latina.

O golpe que depôs e matou Salvador Allende no Chile é citado como primeiro exemplo de que o “incontrolável cassino capitalista” resultante das teorias de Friedman requereu regimes totalitários para se estabelecer fora dos EUA.

“No mundo anglofônico [EUA e Reino Unido]”, as guerras, a começar pela das Malvinas (1982), sob o comando de Margareth Thatcher, foram o elemento impulsionador da economia de livre mercado, sustenta o filme.

Klein participa do longa entrevistando pessoas e em extratos de palestras que profere, com a intenção por ela declarada de impedir que a “memória coletiva” se deixe tomar por uma enviesada versão da história do tempo corrente.

“A Doutrina do Choque” compara as vítimas civis da Guerra do Iraque com os desaparecidos durante a ditadura argentina (1976-83), igualando-os à condição de “pessoas que se opuseram” ao regime econômico que se tentou impor em seus respectivos países.

A estranhar no filme é sua trilha sonora pouco inventiva, considerando que Whitecross prepara agora um documentário sobre a banda Coldplay. Ecoando o chamado de Klein pelo engajamento popular, Whitecross disse, ontem: “O fato de Obama estar na presidência não significa que as coisas vão ficar melhores ou piores. Cabe às pessoas pressionarem a administração dele”.

Brazil stares down the US on Libya

At some point in the run-up to Barack Obama’s just concluded tour of Latin America, which included stops in Brazil, Chile, and El Salvador, the US press decided that coverage of the trip would focus on expected friendly meeting with Dilma Rousseff, Brazil’s recently inaugurated president.

The Washington Post, the New York Times, and National Public Radio, along with a host of other newspapers, cable news commentators, and blogs, all predicted that Obama, the US’s first African American president, and Rousseff, Brazil’s first woman leader, would find common ground, reversing the deterioration of diplomatic relations that had begun under Rousseff’s predecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

The bad blood started, or so the story went, when Lula refused to listen to the administration of George W. Bush and isolate Venezuela’s populist leader, Hugo Chávez. Before long, Brasilia was opposing or, worse, offering alternatives to Washington’s position on a growing number of issues: climate change, opposition to the 2009 coup in Honduras, Cuba, trade and tariffs.

Lula declined to criticise Iran and opened up a separate negotiating channel, outside of Washington’s influence and much to its annoyance, with Tehran to discuss Iran’s nuclear ambitions.

Differences on Middle East

The former Brazilian president also welcomed the president of the Palestinian National Authority, Mahmoud Abbas to Brazil, leading the rest of Latin America to recognise the Palestinian state and calling for direct talks with Hamas and Hezbollah.

Various explanations were posited in the US press for Lula’s behavior, which, for a Latin American leader, was unprecedented considering the historically subservient role Latin America has long played to Washington. At times it was described as a personality disorder, a striving for attention on the world stage; at other moments it was explained away as Lula’s need to play to his party’s rank and file, which, apparently, always enjoys a good tweaking of the US’s nose.

In any case, Obama’s visit just after Dilma’s election offered a chance for a reset. Rousseff, it was reported, would be eager to use the trip to distance herself from her political patron, Lula. Though she was a member of a Marxist-Leninist guerrilla organisation opposing a US-backed dictatorship during her youth in the 1970s, Brazil’s new leader had, according to the Washington Post, a “practical approach to governance and foreign relations after eight years of the flamboyant Luiz Inacio Lula da Silva”.

“She’s a different person and has a different style,” remarked the chairman of Goldman Sachs asset management.

She was “warm” and would welcome Obama cordially (has it really gotten to the point where the US, which for decades presided imperiously over the international community, is today just happy that foreign leaders aren’t rude when its presidents come calling?).  Nearly all major news and opinion sources thought that she would be more accommodating to Washington’s concerns than her predecessor, in Latin America but especially in the Middle East.

Unfortunately for Washington the reality has departed from the narrative. Brazil, under Rousseff, continues largely to follow its own diplomatic lights.

Libya and the UN

Even before Obama landed in Rio, Brazil, as a non-permanent member of the UN Security Council, joined with China and Germany to abstain from the vote authorising “all necessary measures” against Libya’s Muammar Gaddafi.

Since then, its opposition to the bombing has hardened.  According to the Inter Press Service News Agency (IPS), Brazil’s foreign ministry – still, for the most part, staffed by the diplomats who charted Lula’s foreign policy – recently issued a statement condemning the loss of civilian lives and calling for the start of dialogue.

Lula himself has endorsed Dilma’s critical position on Libya, going further in his condemnation of the intervention: “These invasions only happen because the United Nations is weak,” he said. “If we had twenty-first-century representation [in the Security Council], instead of sending a plane to drop bombs, the UN would send its secretary-general to negotiate.”

His remarks were widely interpreted to mean that if Brazil had been a permanent member of the Security Council – a position it has long sought – it would have vetoed the resolution authorising the bombing rather than, as it did, merely abstaining from the vote.

These comments were the first indication that the ex-president, still enormously popular and influential in Brazil, planned to continue to openly weigh in on his successor’s foreign policy.

Argentina and Uruguay likewise have voiced strong disapproval of the intervention.  On one level, this censure reflects Latin America’s commitment to the ideal of non-intervention and absolute sovereignty.  But on another, less elevated and more commonsensical level, it reflects a belief that the diplomatic community needs to return to a standard in which war is the last rather than the first response to crisis.

“This attack [on Libya] implies a setback in the current international order,” IPS reports Uruguayan President José Mujica as saying. “The remedy is much worse than the illness. This business of saving lives by bombing is an inexplicable contradiction.”

Social inclusion vs IMF demands

On other important issues as well, Brazil continues push back against Washington.

The US-controlled International Monetary Fund (IMF), for example, is demanding that Brazil, one of the world’s fastest growing economies, calm bond market concerns about inflation by reining in social spending.

Dilma’s economic team has so far balked.  It argues instead that inflation can be controlled by government regulation of “hot money,” that is, the ability of foreign capital to place speculative bets on, and reap enormous profits off of, Brazil’s currency.

This might sound a bit technocratic, but it is in fact a big obstacle to the IMF’s bid to restore its lost role as what economist Mark Weisbrot has described as a “creditor’s cartel” in Latin America, the chief mechanism through which Washington imposes “discipline” on economies, like Brazil’s, that shows too much independence.

Likewise, Brazil continues to be the main obstacle to jumpstarting the Doha Round of the world trade talks, demanding that the US and Europe lower tariffs to the products and commodities of the developing world.   While graciously hosting the US president, Rousseff nonetheless strongly criticized Washington’s ability to preach free trade while practicing protectionism, demanding that the US open its markets to Brazilian imports such as ethanol, steel, and orange juice.

However “warm,” “practical,” or “cordial” Dilma, Brazil’s first woman president, may be, she’ll be no push over when it comes to matters of war, peace, and economics.

Greg Grandin is a professor of history at New York University and a member of the American Academy of Arts and Sciences. He is the author of a number of prize-winning books, including most recently, Fordlandia: The Rise and Fall of Henry Ford’s Forgotten Jungle City (Metropolitan 2009), which was a finalist for the Pulitzer Prize in History, as well as for the National Book Award and the National Book Critics Circle Award.

The views expressed in this article are the author’s own and do not necessarily reflect Al Jazeera’s editorial policy.

Source:
Al Jazeera

O grande jogo de Barack Obama

José Luis Fiori

Nos últimos dois meses de 2010, o presidente Barack Obama tomou decisões e obteve vitórias internacionais que poderão mudar radicalmente a geopolítica mundial do Século XXI. Graças à intervenção direta do presidente americano, a reunião da OTAN, em Lisboa, no mês de novembro, conseguiu aprovar um “Novo Conceito Estratégico” que define as diretrizes da organização para os próximos dez anos, com a previsão de retirada de suas tropas do Afeganistão, até 2014, e com decisão de instalar um novo sistema de defesa antimísseis da Europa e dos EUA, com a possível inclusão da Rússia e da Turquia, apesar da resistência do governo turco a cooperar com os países que estão obstaculizando sua entrada na UE.  Esta vitória parcial do governo Obama, se somou à aprovação pelo Congresso americano, em dezembro, do acordo bilateral de controle de armas atômicas, que havia assinado com o presidente Dmitry Medvedev, no mês de abril, e que foi ratificado pelo parlamento russo, poucos dias depois de sua aprovação pelo Senado dos EUA.  Estas iniciativas enterram definitivamente o projeto Bush de instalação de um escudo balístico na fronteira ocidental da Rússia, e aprofundam as relações entre as duas maiores potências atômicas mundiais, desautorizando a mobilização anti-russa dos países da Europa Central, promovida e liderada atualmente, pela Polônia e pela Suécia.

Neste mesmo período, no Oriente Médio, o presidente Obama aumentou sua pressão contrária à instalação de novas colônias israelenses em território palestino, e diminuiu a intensidade retórica de sua disputa atômica com o Irã, sinalizando de forma discreta, a disposição para um novo tipo de acomodação regional. Como  ficou visível, com o acordo político que permitiu a formação do novo governo iraquiano do premier Nuri al Maliki, com a intervenção do irão e com o apoio dos EUA, apesar de que Maliki não fosse o candidato preferido dos norte-americanos. E provavelmente, a crise atual do governo libanês só terá uma solução pacífica e duradoura, se envolver, de novo, um ajuste de posições e interesses entre os EUA e o Irã, mesmo que ele seja informal e não declarado.

Estas vitórias e decisões do governo Obama, estão apontando para uma nova política internacional dos EUA, de aproximação com a Rússia, e de acomodação negociada das crises sobrepostas, do Oriente Médio e da Ásia Central. No caso da aproximação da Rússia, os EUA contam com o apoio da Alemanha, por cima das resistências e das divergências intermináveis da UE, e se ela tiver sucesso, deverá redesenhar o mapa geopolítico da Europa moderna. Dentro da nova aliança, a Rússia colaboraria com a estabilização da Ásia Central, e ocuparia um lugar de destaque na em uma negociação silenciosa – que já está em curso – envolvendo o Irã e a Turquia, por cima das alianças tradicionais dos EUA, dentro da região, com vistas a construção de um novo equilíbrio de poder, no Oriente Médio, Em compensação, a Rússia teria o apoio norte-americano para retomar sua “zona de influencia”, e reconstruir sua hegemonia nos territórios perdidos, depois da Guerra Fria, sem as armas, e pelo caminho do mercado e das pressões diplomáticas, como já vem ocorrendo neste momento.

Esta nova estratégia é  ousada e de alto risco, mas não é  original. No auge do seu poder, logo depois da II Guerra Mundial, os EUA perderam o controle da Europa Central para a URSS,   em seguida perderam o controle da China, para a revolução comunista de Mao Tse Tung,  e foram obrigados à um armistício inglório, na Guerra da Coréia. Como conseqüência, os EUA tiveram que mudar sua estratégia do imediato pós-guerra, e transformaram a Alemanha e o Japão, nas peças econômicas centrais da  aliança em que se sustentou a sua posição durante a Guerra Fria. Duas décadas depois, em plena época de ouro do “capitalismo keynesiano”, os EUA voltaram a ser derrotados no Vietnã, Laos e Cambodja, e perderam o controle militar do sudeste asiático. E de novo mudaram sua política internacional, construindo uma aliança estratégica com a China, que dividiu o mundo socialista, fragilizou a URSS, e redesenhou a geopolítica e o capitalismo do final do século XX. Deste ponto vista, o grande jogo proposto pelo governo Obama, para o mundo pós-Iraque e pós-Afeganistão, aponta na mesma direção da década de 1970, só que com o sinal trocado.  Agora se trata de uma proposta de aliança estratégica com a Rússia, que bloquearia a expansão chinesa na Ásia, mas que também envolverá algum tipo de apoio ou “convite” ao desenvolvimento do capitalismo russo,  bloqueado pelo seu excessivo viés “primário-exportadora”.

Roosevelt concebeu uma aliança parecida com a URSS, em 1945, mas sua proposta foi atropelada pela sua morte, e pela estratégia desenhada por Churchill e Truman, que levou à Guerra Fria.  Agora de novo, o projeto de Barack Obama pode revolucionar a geopolítica mundial, mas também pode ser atropelado – entre outras coisas – pelas mudanças presidenciais que ocorrerão nos EUA e na Rússia, no ano de 2012.

 

http://www.rumosdobrasil.org.br/2011/01/26/o-grande-jogo-de-barack-obama/

Blog Stats

  • 1.327.648 visitas
%d blogueiros gostam disto: