“Tudo como o previsto”

27 de Maio de 2014

por Gustavo Esteves Lopes

Alguém previu de imediato, quando da escolha do Brasil como país-sede da “Copa do Mundo Fifa 2014tm, ocorrida em 2007, que haveria este rebuliço todo em torno da organização deste mega-evento esportivo, e que possivelmente ocorrerá o mesmo em relação aos “Jogos Olímpicos Rio 2016tm”? É certo que sim. Feito tradição que precede e perpassa a realização de um mega-evento, em qualquer lugar do mundo, contendas e recrudescimentos múltiplos – gerados entre sociedade civil, estado, patrocinadores e comitês organizadores – estabelecem-se como componentes essenciais próprios ao que é denominado “civilização”, em que cada parte se julga no direito e no dever de impor seus pensamentos e ações sobre outrem. Inversamente a tal condição humana que se constitui coletivamente enquanto “civilidade” – vocábulo este que está muito além de seus sinônimos diretos “cortesia” ,“polidez” e “boas maneiras” –, quanto a uma partida de futebol, o que se passa dentro das quatro linhas, e segundo as regras do jogo, presume-se como o contrário em relação ao que acontece do lado de fora, em que leis e quaisquer outras normas jurídicas existem, também, para serem desobedecidas – como o fazem os “anônimos” e as pessoas “publicamente reconhecidas”, ininterruptamente. Se a regra do jogo for desrespeitada, este não há mais razão de ser, de existir – seja este uma loteria, uma modalidade esportiva individual, bem como uma modalidade esportiva coletiva, como o futebol e outras. Corrupção, exclusão social, acidentes de trabalho, difamação, protestos, violência generalizada, e ocorrências de morte de toda a sorte, já estavam previstos nas entrelinhas do contrato assinado entre todas as partes envolvidas. Ledo engano acreditar que ninguém quis ou quer ler tanto aquilo que estava escrito no contrato (social, aliás), como também aquilo que não estava. Ainda assim, é inegável que em meio a todo este rebuliço, há espaço, tempo e circunstância para que brasileiros, e muita gente espalhada ao redor do mundo, sejam contagiados pelos mais sinceros e graciosos sentimentos inatos aos seres humanos, “civilizados ou não”, como alegria, serenidade e fraternidade, de modo a contemplar, com toda a certeza, o que já era esperado de um mega-evento esportivo. Em suma, e com franqueza, é sabido que vem ocorrendo “tudo como o previsto”, dentro e fora das quatro linhas que engendram o esporte bretão. (Dedicado a José Carlos Sebe Bom Meihy, Roberto Damatta e Marcel Diego Tonini)

Gustavo Esteves Lopes – Historiador, e Mestre em História Social pela Universidade de São Paulo. Só neste ano de 2014 publicará dois livrinhos, pois ambos já estão no prelo – um sobre o tempo de ditadura militar no Brasil (1964-1985), e outro sobre a história da comunidade local onde vive e trabalha (Hortolândia-SP). É praticante contumaz daquilo que se chama “história oral”.

UEM 2008 – verão

Questão 03
Leia o texto a seguir:
“Desde o início a criança desenvolve uma interação não
apenas com o próprio corpo e o ambiente físico, mas
também com outros seres humanos. A biografia do
indivíduo, desde o nascimento, é a história de suas
relações com outras pessoas. Além disso, os componentes
não sociais das experiências da criança estão entremeados
e são modificados por outros componentes, ou seja, pela
experiência social.” (BERGER, Peter L. e BERGER,
Brigitte. “Socialização: como ser um membro da
sociedade”. In FORACCHI, Marialice M. e MARTINS,
José de Souza. Sociologia e Sociedade. Rio de Janeiro:
Livros Técnicos e Científicos, 1977, p. 200).
Podemos concluir do texto que
 
01) os indivíduos, desde o nascimento, são influenciados
pelos valores e pelos costumes que caracterizam sua
sociedade.
02) a relação que a criança estabelece com o seu corpo
não deveria ser do interesse das ciências biológicas,
mas apenas da sociologia.
04) o fenômeno tratado pelo autor corresponde ao
conceito de socialização, que designa o aprendizado,
pelos indivíduos, das regras e dos valores sociais.
08) as experiências individuais, até mesmo aquelas que
parecem mais relacionadas às nossas necessidades
físicas, contêm dimensões sociais.
16) o desconforto físico que uma criança sente, como a
fome, o frio e a dor, pode receber dos adultos
distintas respostas de satisfação, dependendo da
sociedade na qual eles estão inseridos.
 
resposta: 29

UEM 2008 – verão

Questão 18
Considere a seguinte afirmação:
“A democracia no Brasil é algo muito recente e ainda
está se consolidando. Ela continuará crescendo se as
regras institucionais para as eleições e o exercício do
poder forem ampliadas, para possibilitar a participação da
população, e se os movimentos sociais tiverem mais
liberdade para lutar pela manutenção dos direitos
fundamentais e a criação de novos direitos. Somente
quando a maioria da população tiver educação de
qualidade, condições de se alimentar adequadamente e
condições de vida social decente poderemos ter
democracia no Brasil. Enquanto isso, temos uma
democracia ‘capenga’”. (TOMAZI, Nelson. Sociologia
para o ensino médio. São Paulo: Atual, 2007, p. 124).
Sobre a análise exposta, assinale o que for correto.
 
01) Podemos deduzir do texto que, para o autor, a
qualidade de um regime democrático pode variar no
tempo e no espaço. Ele nos sugere que a presença e a
estabilidade do sistema eleitoral são apenas
indicadores mínimos para definir o grau de
democracia que existe em uma determinada
sociedade.
02) Podemos concluir do texto que, em uma democracia,
os partidos políticos não são tão importantes. Assim,
a democracia brasileira seria melhor se as regras
eleitorais reconhecessem os movimentos sociais
como instituições de representação, e não os partidos
políticos.
04) Podemos concluir do texto que as deficiências da
democracia brasileira têm relação com o fato de que
tivemos, ao longo da história republicana, a vigência
de longos períodos de regimes autoritários.
08) De acordo com o texto, a consolidação da democracia
brasileira não depende de mudanças na estrutura
jurídica do Estado.
16) Para o autor, a qualidade de uma democracia pode ser
medida observando-se os seguintes indicadores: as
regras institucionais vigentes, as condições dadas
para a construção de ações coletivas e a maneira
como os recursos materiais estão distribuídos.
 
resposta: 21

UEL 2011

38) O positivismo foi uma das grandes correntes de pensamento social, destacando-se, entre seus principais teóricos, Augusto Comte e Émile Durkheim. Sobre a concepção de conhecimento científico, presente no positivismo do século XIX, é correto afirmar:
a) A busca de leis universais só pode ser empreendida no interior das ciências naturais, razão pela qual o conhecimento sobre o mundo dos homens não é científico.
b) Os fatos sociais fogem à possibilidade de constituírem objeto do conhecimento científico, haja vista sua incompatibilidade com os princípios gerais de objetividade do conhecimento e a neutralidade científica.
c) Apreender a sociedade como um grande organismo, a exemplo do que fazia o materialismo histórico, é rejeitado como fonte de influência e orientação para as investigações empreendidas no âmbito das ciências sociais.
d) A ciência social tem como função organizar e racionalizar a vida coletiva, o que demanda a necessidade de
entender suas regras de funcionamento e suas instituições forjadas historicamente.
e) O papel do cientista social é intervir na construção do objeto, aportando à compreensão da sociedade os valores por ele assimilados durante o processo de socialização obtido no seio familiar.
 
resposta: D

 

Blog Stats

  • 1.353.313 visitas
%d blogueiros gostam disto: