Unesp 2014

(Unesp 2014)  Os reality shows são hoje para a classe mais abastada e intelectualizada da sociedade o que as novelas eram assim que se popularizaram como produto de cultura massificada: sinônimo de mau gosto. Com uma maior aceitação das novelas na esfera dos críticos da mídia, o reality show segue agora como gênero televisivo mundial, transmitido em horário nobre, e principal símbolo da perda de qualidade do conteúdo televisivo na sociedade pós-moderna. Os reality shows personificam as novas formas de identificação dos sujeitos nas sociedades pós-modernas. Programas como o BBB são movidos pelas engrenagens de uma sociedade exibicionista e consumista, que se mantém vendendo ao mesmo tempo a proposta de que cada um pode sair do anonimato e conquistar facilmente fama e dinheiro.

(Sávia Lorena B. C. de Sousa. O reality show como objeto de reflexão cultural. observatoriodaimprensa.com.br)

 

Sobre a relação entre os meios de comunicação de massa e o público consumidor, é correto afirmar que:

a) a qualidade da programação da tv não é condicionada pelas demandas e desejos dos consumidores culturais.

b) o reality show é uma mercadoria cultural relacionada com processos emocionais de seu público.

c) os critérios estéticos independem do nível de autonomia intelectual dos consumidores.

d) no caso dos reality shows, a televisão estimula a capacidade de fruição estética do público consumidor.

e) os programadores priorizam aspectos formativos relegando o entretenimento a uma condição secundária.

 

Resposta: B

Anúncios

Unesp 2014

(Unesp 2014)  Não somente os tipos das canções de sucesso, os astros, as novelas ressurgem ciclicamente como invariantes fixos, mas o conteúdo específico do espetáculo só varia na aparência. O fracasso temporário do herói, que ele sabe suportar como bom esportista que é; a boa palmada que a namorada recebe da mão forte do astro, são, como todos os detalhes, clichês prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema. Desde o começo do filme já se sabe como ele termina, quem é recompensado, e, ao escutar a música ligeira, o ouvido treinado é perfeitamente capaz, desde os primeiros compassos, de adivinhar o desenvolvimento do tema e sente-se feliz quando ele tem lugar como previsto. O número médio de palavras é algo em que não se pode mexer. Sua produção é administrada por especialistas, e sua pequena diversidade permite reparti-las facilmente no escritório.

(Theodor W. Adorno e Max Horkheimer. “A indústria cultural como mistificação das massas”. In: Dialética do esclarecimento, 1947. Adaptado.)

 

O tema abordado pelo texto refere-se

a) ao conteúdo intelectualmente complexo das produções culturais de massa.

b) à hegemonia da cultura americana nos meios de comunicação de massa.

c) ao monopólio da informação e da cultura por ministérios estatais.

d) ao aspecto positivo da democratização da cultura na sociedade de consumo.

e) aos procedimentos de transformação da cultura em meio de entretenimento.

 

Resposta: E

ENEM 2015

Q39 (Enem 2015 – azul)  Na sociedade contemporânea, onde as relações sociais tendem a reger-se por imagens midiáticas, a imagem de um indivíduo, principalmente na indústria do espetáculo, pode agregar valor econômico na medida de seu incremento técnico: amplitude do espelhamento e da atenção pública. Aparecer é então mais do que ser; o sujeito é famoso porque é falado. Nesse âmbito, a lógica circulatória do mercado, ao mesmo tempo que acena democraticamente para as massas com os supostos “ganhos distributivos” (a informação ilimitada, a quebra das supostas hierarquias culturais), afeta a velha cultura disseminada na esfera pública. A participação nas redes sociais, a obsessão dos selfies, tanto falar e ser falado quanto ser visto são índices do desejo de “espelhamento”.

SODRÉ, M. Disponível em: http://alias.estadao.com.br. Acesso em: 9 fev. 2015 (adaptado).

 

A crítica contida no texto sobre a sociedade contemporânea enfatiza

a) a prática identitária autorreferente.

b) a dinâmica política democratizante.

c) a produção instantânea de notícias.

d) os processos difusores de informações.

e) os mecanismos de convergência tecnológica.

 

Resposta: A

UEM 2009 – inverno

Questão 06
Leia o fragmento abaixo:
“O príncipe eletrônico pode ser visto como uma das mais
notáveis criaturas da mídia, isto é, da indústria cultural.
Trata-se de uma figura que impregna amplamente a
Política, como teoria e prática. Impregna a atividade e o
imaginário de indivíduos e coletividades, grupos e classes
sociais, nações e nacionalidades, em todo o mundo. Em
diferentes gradações, conforme as peculiaridades
institucionais e culturais da política em cada sociedade, o
príncipe eletrônico influencia, subordina, transforma ou
mesmo apaga partidos políticos, sindicatos, movimentos
sociais, correntes de opinião, legislativo, executivo e
judiciário.” (IANNI, Octávio. O príncipe eletrônico. In:
COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência da
sociedade. São Paulo: Moderna, p.296.)
Considerando o texto acima, assinale a(s) alternativa(s)
correta(s).
 
01) Na sociedade contemporânea, as tecnologias de
comunicação tornam-se instrumentos significativos
na condução dos processos políticos e eleitorais.
02) A mídia tem-se constituído como um espaço
extremamente democrático do mundo globalizado,
valorizando a diversidade de posicionamentos
políticos e garantindo a integridade das mais variadas
instituições políticas tradicionais.
04) As concepções de mundo divulgadas pela mídia têm
um forte impacto sobre a vida cotidiana e são
suficientemente poderosas a ponto de influenciar a
organização política de uma nação.
08) As tecnologias de comunicação são utilizadas pelas
grandes corporações mundiais com o objetivo de
fazer que seus projetos sejam aceitos pelos
dominados.
16) A expressão “príncipe eletrônico” está associada à
concepção clássica de política construída por Nicolau
Maquiavel e é utilizada no texto acima como forma
de destacar os processos de enfraquecimento do
poder do Estado Moderno na vida política
contemporânea.
 
resposta: 29

UEM 2009 – inverno

Questão 12
Considerando as reflexões sociológicas sobre o conceito
“cultura”, assinale o que for correto.
01) O processo de modernização das sociedades gera
impactos na manifestação das tradições populares, o
que, segundo algumas vertentes sociológicas, pode
modificar as práticas culturais, mas dificilmente
extingui-las.
02) A variedade das culturas acompanha, por um lado, a
pluralidade da história humana e, por outro, os
processos de transformação social. Assim, dentro de
um mesmo território, é possível coexistirem diversos
padrões culturais.
04) Ao observar as tradições culturais manifestas nas
colônias portuguesas, a sociologia construiu o
consenso de que a cultura do branco europeu é
superior à do indígena e à do africano.
08) Algumas abordagens sociológicas buscam observar
os elementos materiais e não materiais das
manifestações culturais, com o objetivo de
compreender as funções sociais dessas
manifestações.
16) Ao longo do século XX, a Sociologia acumulou
conhecimento suficiente para concluir que a cultura
não sofre efeitos do desenvolvimento das tecnologias
de comunicação, tais como o cinema, a televisão e a
internet.
 
resposta: 11

UEM 2008 – verão

Questão 17
Leia o texto a seguir:
“A imprensa, o rádio, a televisão, o cinema são indústrias
ultra-ligeiras. Ligeiras pelo aparelhamento produtor, são
ultra-ligeiras pela mercadoria produzida: esta fica
gravada sobre a folha do jornal, sobre a película
cinematográfica, voa sobre as ondas e, no momento do
consumo, torna-se impalpável, uma vez que esse
consumo é psíquico. Entretanto, essa indústria ultraligeira
está organizada segundo o modelo da indústria de
maior concentração técnica e econômica. No quadro
privado, alguns grandes grupos de imprensa, algumas
grandes cadeias de rádio e televisão, algumas sociedades
cinematográficas concentram em seu poder o
aparelhamento (rotativas, estúdios) e dominam as
comunicações de massa. No quadro público, é o Estado
que assegura a concentração.” (MORIN, Edgard. “A
indústria cultural” In: FORACCHI, Marialice Mencarini
& MARTINS, José de Souza (org.). Sociologia e
Sociedade: leituras de introdução à sociologia. Rio de
Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977, p.300).
Tendo como referência o texto e seus conhecimentos
sobre a temática da “indústria cultural”, assinale a(s)
alternativa(s) correta(s).
 
01) A indústria cultural consegue conjugar organização
burocrática, que visa à produção padronizada e em
larga escala de seus produtos, com individualização e
novidade desejadas pelos consumidores.
02) A produção cultural de massa procura transformar a
cultura em mercadoria, nivelando os valores e os
padrões estéticos de boa parte dos consumidores.
04) Na indústria cultural, há um equilíbrio entre
interesses econômicos, domínio da técnica,
organização burocrática e exercício da criatividade.
08) A indústria cultural, diferentemente de outros ramos
da produção industrial, não visa ao lucro. Seus
produtos são comercializados a preço de custo e seu
consumidor não é tratado como “cliente” e sim como
fã ou colecionador.
16) O ritmo ligeiro da indústria cultural tem como
resultado a produção em série, de baixo custo e
possível de ser acessada por boa parte da população.
 
resposta: 18

A praga do “pensamento único”

25.08.2012 09:52

Por Claudio Bernabucci

John K. Galbraith, um dos mais importantes economistas do século XX, pronunciou-se algumas vezes sobre a “imbecilidade dos capitalistas”. A observação factual da crise sistêmica que o mundo está vivendo, sem perspectiva de solução equilibrada dentro das regras existentes, levaria a pensar que a afirmação do economista canadense tivesse fundamento.

No entanto, do ponto de vista das ideias, devemos reconhecer que, nas últimas décadas, o capitalismo neoliberal teve a capacidade de exercer uma hegemonia ímpar sobre todas as atividades humanas. Sofisticados instrumentos teóricos e culturais permitiram a esta nova ideologia eliminar qualquer resistência e crítica significativas, a ponto de se configurar como um “pensamento único”. Só recentemente, diante dos graves escândalos no coração do sistema, este primado começou a ser posto em discussão de forma incisiva.

Já mencionamos a batalha de ideias em curso e a relação de forças existentes. Vale a pena reiterar que estamos assistindo a uma autêntica guerra global dentro do sistema capitalista, da qual o neoliberalismo sairá derrotado ou vencedor. No último caso, podemos estar certos: o que resta da democracia no planeta estaria seriamente comprometido. Neste quadro, a circulação das ideias em escala planetária é fundamental para a definição do resultado. Somente por meio da difusão de pensamentos plurais e antitéticos ao dominante, poderão ser conquistadas as mentes e os corações habilitados a criar uma nova civilização para superar as injustiças de um mundo onde minorias não eleitas decidem o destino de bilhões de seres humanos.

A ferramenta principal é a mídia. A livre difusão da internet – com a grave exceção da China –, apesar de limitada, permite uma informação de baixo para cima que tem aberto brechas importantes no monólito do pensamento único. Os jornais independentes sempre foram minoria e, na chamada grande imprensa, as vozes autônomas são escassas, relegadas aos espaços de debates: espécie de reserva indígena-intelectual, que visa demonstrar o pluralismo de um jornal, enquanto a informação transmitida em todas as outras páginas defende pura e simplesmente a ordem existente. Mundo afora, o cidadão é informado sobre a crise econômico-financeira de forma predominantemente mecanicista, tecnicista e distorcida. As causas principais das convulsões em curso são eludidas: in primis a desregulamentação insensata do sistema financeiro, origem de fraudes e falências.

As análises de economistas e jornalistas alinhados ao neoliberalismo, e que ainda são maioria, chegam de hábito a um beco sem saída, a um porto das névoas, quando tocam o tema “mercados”. Neste ponto, as dúvidas desaparecem, as perguntas se extinguem – Ipse dixit! – em obséquio aos inomináveis e onipotentes titereiros donos dos “mercados”.

Sendo assim, os cortes sociais realizados pelos governos europeus, alvos de ataques especulativos, são descritos mecanicamente como respostas obrigatórias, para satisfazer às exigências ou aos humores dos “mercados”. Obviamente, isso é feito sem informar quais grupos de interesses e forças concretas estão por trás dos tais “mercados”. As imponentes transferências de riquezas provocadas pela gangorra dos spreads ou negociatas das bolsas de valores, a existência de imensas fortunas escondidas nos “paraísos fiscais”, são fatos descritos de forma fria e tecnicista, incompreensível para o cidadão comum, oferecendo uma representação da realidade absolutamente surrealista, sem análise alguma sobre as causas e consequências.

A situação da mídia brasileira cabe perfeitamente neste quadro, com algum agravante. O “pensamento único” da chamada grande imprensa é bem mais extenso aqui do que em outros países de democracia madura. A esse aspecto acrescenta-se um partidarismo acentuado, unilateralmente antigovernamental, que contrasta com uma concepção da informação como serviço pluralista à cidadania. O governo brasileiro não pode ser isento de críticas, mas o mérito de ser um dos poucos no mundo que na última década conseguiram crescimento econômico e diminuição das desigualdades, deveria ser reconhecido em homenagem aos fatos.

Em suma, a opinião pública mundial padece de uma informação parcial ou distorcida, que esconde a realidade de um planeta onde a desigualdade sem freios e a avidez do lucro estão comprometendo as possibilidades de construir um futuro comum. Esta “cegueira” é na maioria das vezes fruto de partidarismo ideológico, que esconde interesses oligárquicos supranacionais; outras vezes é consequência da incapacidade de sair do esquema prefixado de pensar e agir. Para reverter esse quadro perigoso, é preciso que se difunda o pensamento crítico, hoje minoritário. O papel da mídia independente é de informar sobre os fatos e ideias que os outros não querem ou não podem contar.

 

http://www.cartacapital.com.br/politica/a-praga-do-pensamento-unico/

Kandahar: os nomes das vítimas sem nome

19/3/2012,

Qais Azimy, Al-Jazeera, Qatar

http://blogs.aljazeera.com/asia/2012/03/19/no-one-asked-their-names

 

Nos dias que se seguiram ao assassinato de 16 civis afegãos desarmados, por um soldado norte-americano armado – talvez mais soldados, e nada se sabe sobre ‘os fatos em campo’ em Kandahar –, todos os grandes jornais-empresas do mundo, inclusive Al-Jazeera, concentraram-se no “significado” daquela ação, considerados, sempre, os interesses dos EUA.

 

Muitos veículos da mídia-empresa dedicaram-se a vasculhar todos os mais ínfimos detalhes da vida do único soldado dos EUA até agora acusado por aqueles crimes e identificado como Sargento Robert Bales. Sabe-se até onde sua esposa queria passar férias, e o que ela escreve em seu blog pessoal.

 

Mas as vítimas foram deixadas para os rodapés, sem (nem) nome. Falou-se um pouco do número: 16. Sem idade, sem rosto, sem hobbies conhecidos, sem sonhos para algumas possíveis férias. Não se conheceram sequer seus nomes.

 

Como homenagem àqueles mortos nada ‘jornalísticos’, listo aqui os nomes das vítimas dos EUA em Kandahar, e o pouco que consegui saber: que nove, daqueles 16 mortos eram crianças; e três, mulheres.

 

Os mortos são:
Mohamed Dawood, filho de Abdullah

Khudaydad, filho de Mohamed Juma

Nazar Mohamed

Payendo

Robeena

Shatarina, filha de Sultan Mohamed

Zahra, filha de Abdul Hamid

Nazia, filha de Dost Mohamed

Masooma, filha de Mohamed Wazir

Farida, filha de Mohamed Wazir

Palwasha, filha de Mohamed Wazir

Nabia, filha de Mohamed Wazir

Esmatullah, filha de Mohamed Wazir

Faizullah, filho de Mohamed Wazir

Essa Mohamed, filho de Mohamed Hussain

Akhtar Mohamed, filho de Murrad Ali

 

Os feridos são:
Haji Mohamed Naim, filho de Haji Sakhawat

Mohamed Sediq, filho de Mohamed Naim

Parween

Rafiullah

Zardana

Zulheja

Para que todas as mídias sejam livres

FÓRUM SOCIAL TEMÁTICO 2012
13 de Fevereiro de 2012
por Michele Torinelli

Porto Alegre, berço do Fórum Social Mundial (FSM), recebeu novamente o encontro por um outro mundo possível, dessa vez em sua versão regional e com o tema “crise capitalista, justiça social e ambiental”. Entre as várias atividades que tomaram a cidade no final de janeiro, o III Fórum de Mídia Livre(FML) foi palco para a troca de experiências de comunicação e a construção de estratégias comuns.

A programação contou com relatos e análises da Primavera Árabe, da luta pela libertação palestina, dos indignados de Espanha e da regulamentação da mídia no Brasil pós Conferência Nacional de Comunicação e na Argentina – onde a Lei dos Meios foi aprovada. Outro tema de debate foram as “redes em redes”, que partiu de experiências para chegar em perspectivas de apropriação conjunta de práticas e plataformas livres, que facilitem a conjunção das diferentes lutas por uma sociedade mais digna, justa e livre.

Apropriação tecnológica, direito à comunicação e políticas públicas de comunicação

O III FML organizou-se a partir desses três eixos complementares entre si. O primeiroabrange as práticas de comunicação e a queda da barreira entre emissor e receptor – mais do que nunca, todos produzem e recebem informação, e surgem remixes e hibridizações. O segundotrata da importância de trazermos à tona os diversos discursos sociais e de garantirmos seu reconhecimento, para que a pluralidade de nossa sociedade encontre espaço nos meios de comunicação e escapemos à ditadura do pensamento único. Já o eixo referente às políticas públicasaborda a necessidade da regulamentação da mídia no Brasil, onde temos um cenário assustador de monopólio da radiodifusão e de falta de transparência e participação social nos processos decisórios.

Os eixos se complementam porque não basta nos apropriarmos dos meios acessíveis, desenvolvermos novas linguagens e que a mobilização social aconteça de forma efetiva e horizontal se os artigos da Constituição Federal referentes à comunicação continuarem sendo ignorados e carecendo de regulamentação, mantendo a propriedade dos meios de comunicação de massa em poucas mãos. Mas também não é suficiente garantirmos a democratização da mídia se não houver mobilização, envolvimento e construção de discursos. Além disso, não podemos travar a luta pela democratização da comunicação sem ter como objetivo maior a construção desse outro mundo mais justo e digno, onde todos tenham voz.

É importante termos claros os princípios que nos unem e as práticas que podem consolidá-los. O marroquino Mohamed Legthas, do portal E-joussour, compartilhou e experiência em seu país, onde a apropriação das redes sociais para a queda do regime teve relevância, mas terminou sua fala com o seguinte questionamento: de que adianta derrubarmos governos, ou acamparmos em praças, se tais atitudes não contribuírem efetivamente para a consolidação dos anseios democráticos?

Como disse o sociólogo português Boaventura de Souza Santos, em outra atividade do Fórum Social Temático, “cuidado: o resultado pode ser pior, pode levar a uma nova forma de barbárie ou barbarismo. Queremos uma democracia real e participativa, mas como construí-la?”, provocou.

Digital X Analógico e a comunicação como luta transversal

Ao mesmo tempo em que as novas tecnologias da comunicação se popularizam e ganham notoriedade em movimentos como os ocorridos no mundo árabe e na Espanha, as “velhas tecnologias” continuam tendo seu papel indispensável e não podem ser esquecidas. Exemplos disso são as rádios comunitárias e as intervenções urbanas, que utilizam os tradicionais pinceis, colas, papeis e tinta. “A mídia livre existe antes do Fórum de Mídia Livre, e existe até muito antes da internet”, enfatizou Renata Miele, do Centro de Estudos Barão de Itararé, durante o debate sobre direito à comunicação.

Entre as resoluções do III FML, estão a necessidade de superar a hegemonia da internet nas discussões acerca de mídia livre e de envolver os demais movimentos e organizações sociais. João Pedro Stédile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, defendeu na Assembleia dos Movimentos Sociaisque é necessário “fazer a disputa ideológica, enfrentar os meios de comunicação de massa” para superarmos o capitalismo. A concentração da mídia e a necessidade de articulação e debate concernem não só aos movimentos diretamente relacionados à comunicação, mas ao movimento negro, de mulheres, indígena, ecológico, pela reforma agrária e urbana etc. “O que podemos fazer juntos daqui para a frente?”, questionou Stédile.

Contudo, é importante atentar para que, ao mesmo tempo em que as ferramentas digitais ganham relevância, diversas legislações restritivas estão tramitando no mundo, a modo do SOPA (Stop Piracy Act)e PIPA (Protect IP Act) nos Estados Unidos e do “PL do Azeredo” no Brasil. As tecnologias digitais não são as únicas, mas são estratégicas – e a liberdade e o compartilhamento na rede estão em risco.

II Fórum Mundial de Mídia Livre e a Rio +20

O III FML terminou com um grande chamado à construção do II Fórum Mundial de Mídia Livre (FMML), que de acordo com Bia Barbosaserá “mais uma batalha internacional em defesa da comunicação como um direito e também um bem comum”. O encontro acontecerá entre os dias 16 e 18 de junho no Rio de Janeiro como uma das atividades da Cúpula dos Povos da Rio+20 por Justiça Social e Ambiental, evento da sociedade civil paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável.  “A ideia é que a comunicação contribua para os processos de luta e resistência dos povos”, indicou Tica Moreno, do Grupo de Articulação da Cúpula dos Povos e da Marcha Mundial de Mulheres.

A proposta do II FMML surgiu no FSM 2011 em Dakar, no Senegal. Fazem parte da organização entidades como Abraço (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária), Amarc (Associação Mundial de Rádios Comunitárias), Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada, Coletivo Soylocoporti, Intervozes, Fora do Eixo, Pontão de Cultura da ECO/UFRJ e Revista Fórum. Internacionalmente participam, entre outras organizações, a Cáritas, a WSFTV – portal de memória audiovisual do FSM – e E-joussour, uma agência de notícias colaborativa do norte da África, que está à frente da organização de um Fórum de Mídia Livre naquela região.

O intuito é dialogar com as diversas lutas para tirar uma pauta comum em torno da comunicação. “O debate que une os defensores do midialivrismo e da democratização da mídia não é um debate corporativo, mas uma luta feita por todos que querem mudanças na comunicação brasileira”, defendeu Rita Freire, da Ciranda Internacional da Comunicação Compartilhada. E o Fórum Mundial de Mídia Livre ocorrer na Cúpula dos Povos propicia o cenário ideal para que essa construção conjunta se consolide.

Michele Torinelli

Comunicadora e caminhante, integrante do Coletivo Soylocoporti – e da Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada – ciranda.net. Atua com comunicação compartilhada, educomunicação e cultura popular e alternativa.

 

Entradas Mais Antigas Anteriores

Blog Stats

  • 862,470 visitas
%d blogueiros gostam disto: